sábado, 24 de fevereiro de 2024

Contato

Celular roubado no Carnaval? Confira o passo a passo do que fazer nesse caso

Por Dentro De Tudo:

Compartilhe

O Carnaval é um período de muita festa em todo o país, mas os foliões não podem se descuidar em relação à segurança dos bens pessoais no meio da multidão que vai prestigiar os desfiles dos blocos. E um dos itens mais visados pelos ladrões é o telefone celular. Caso eles consigam desbloquear a tela do aparelho roubado, terão acesso aos dados e aplicativos da vítima.

E muitas vezes os criminosos conseguem também entrar na conta bancária da pessoa para roubar valores ou invadem o whatsapp dela e pedem transferências em dinheiro para familiares. Por isso, quem tem o telefone celular roubado deve se apressar para bloquear o aparelho.

Mas o que a pessoa deve fazer primeiro? A Polícia Civil de Minas Gerais listou qual sequência de ações a vítima de um roubo de celular deve seguir:

  • Bloqueie seu celular: Entre em contato com sua operadora de telefonia móvel imediatamente para bloquear o celular e o cartão SIM. Isso impedirá que o ladrão utilize seu dispositivo e evite cobranças indevidas.
  • Registre um boletim de ocorrência: Dirija-se à delegacia mais próxima e registre um boletim de ocorrência sobre o furto do seu celular. Isso é importante para documentar o incidente e pode ajudar na recuperação do dispositivo.
  • Rastreie o celular: Se você tiver instalado previamente um aplicativo de rastreamento, como o Find My iPhone (para dispositivos Apple) ou o Find My Device (para dispositivos Android), tente localizar seu celular remotamente. Isso pode ajudar as autoridades a recuperar o dispositivo.
  • Informe bancos e aplicativos: Se você armazenou informações pessoais sensíveis no celular, como senhas, dados bancários ou documentos importantes, informe imediatamente os serviços relevantes (bancos, redes sociais, etc.) sobre o furto para tomar medidas de segurança adicionais.
  • Considere desativar contas: Caso não consiga rastrear o celular ou tenha preocupações com privacidade, considere desativar suas contas em aplicativos e redes sociais associadas ao dispositivo perdido. Isso pode ajudar a proteger suas informações pessoais.
  • Adquira um novo SIM card: Após bloquear o celular, obtenha um novo SIM card da sua operadora para continuar usando seu número de telefone em um novo dispositivo.
  • Esteja atento a atividades suspeitas: Fique atento a atividades suspeitas em suas contas online e financeiras, pois o ladrão pode tentar acessá-las através do seu celular perdido.
  • Considere o seguro: Se você tiver um seguro para dispositivos móveis, entre em contato com sua seguradora para iniciar o processo de reivindicação e substituição do celular.

Canais para bloqueio do celular

  • Central de Bloqueio de Celulares do Estado de Minas Gerais (Cbloc). Acesse: cbloc.seguranca.mg.gov.br
  • App Celular Seguro. Baixe pelo Google Play ou App Store

A Polícia Civil reforça que a vítima de roubo deve agir rapidamente para aumentar suas chances de recuperação ou proteção de seus dados pessoais.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) também listou algumas ações que as pessoas que tiverem o celular roubado podem fazer para evitar prejuízos maiores.

1 – Rastrear e apagar os dados do celular roubado de forma remota

Pelo sistema operacional do smartphone é possível rastrear, bloquear e apagar de forma remota os dados do celular a partir de um navegador de internet.

É recomendado que essa seja a primeira providência a ser tomada, pois uma vez que o bloqueio da linha junto a operadora é realizado, perde-se o acesso remoto aos dados do aparelho.

Para aparelhos com Android, é possível fazer isso pelo Encontre Meu Dispositivo do Google. Em aparelhos IOS, esse procedimento pode ser feito pelo iCloud.

Também é importante ativar previamente a busca por localização do dispositivo para acionar remotamente o bloqueio do celular.

2 – Bloquear o celular roubado através do IMEI 

O bloqueio é feito perante a operadora da vítima de roubo e através do número de identificação do aparelho, o IMEI. Ele pode ser encontrado de algumas formas:

  • Na caixa do aparelho;
  • Na traseira do aparelho, em uma etiqueta colada na bateria ou na bandeja do cartão SIM;
  • Através do site de seu sistema operacional (Apple, Android, entre outros);
  • Discando pela chamada de telefone *#06# e o número aparecerá na tela do celular. É recomendado deixar esse número anotado por precaução.

Para isso, é necessário ligar de um outro aparelho, seguindo as instruções indicadas e fornecendo os dados necessários. A recomendação é que a pessoa tenha o número do IMEI guardado e acessível para o caso de ter o celular roubado.

Outra possibilidade para bloquear o aparelho é a comunicação em delegacia da Polícia Civil, pois quase todos os Estados estão habilitados com o sistema para bloqueio.

Preventivamente, é essencial colocar uma senha no aparelho celular e ativar a opção da tela para bloqueio no menor tempo possível (geralmente, 30 segundos).

3 – Comunicar o ocorrido ao banco

É fundamental que a vítima do roubo entre em contato rapidamente com seu banco e com outros serviços financeiros de aplicativos que ela possui instalados no celular, como de carteiras digitais, e informe o ocorrido, solicitando o imediato bloqueio dos cartões, contas e operações. Anote os protocolos de atendimento.

A pessoa também pode utilizar a ferramenta Registrato, do Banco Central, para verificar se há algum empréstimo desconhecido em seu nome. 

Preventivamente, é recomendável que o indivíduo coloque um limite para suas transações do PIX. Além disso, caso tenha a função de pagamento por aproximação no celular e a pessoa não estiver utilizando, é melhor desativá-la.

4 – Registrar um boletim de ocorrência

É essencial fazer um boletim de ocorrência para que você tenha um comprovante do ocorrido e o possa se utilizar do documento nos contatos com as empresas.

Isso pode ser feito pessoalmente em qualquer delegacia, ou online pelo portal da Polícia Civil do Estado onde ocorreu o roubo.

O B.O. também é importante para notificar as autoridades de segurança sobre os problemas enfrentados pelos cidadãos.

5 –  Alterar suas senhas

Por fim, é recomendável a alteração de senhas de e-mails e redes sociais, bem como o encerramento de sessão em contas que a pessoa possui no aparelho, o que pode ser feito de forma remota por computador. 

Em plataformas como o Facebook e o Instagram, por exemplo, é possível verificar todos os locais e aparelhos onde o perfil está logado e desconectá-los na aba “segurança”, dentro de “configurações”.

Preventivamente, o IDEC recomenda que as pessoas nunca anotem suas senhas em um bloco de notas virtual desprotegido (sem senha) e que ativem a verificação de duas etapas em todos os aplicativos possíveis (como o WhatsappInstagram e Facebook).

Fonte: O Tempo.

Encontre uma reportagem

Aprimoramos sua experiência de navegação em nosso site por meio do uso de cookies e outras tecnologias, em conformidade com a Política de Privacidade.