Depois das enchentes, o risco agora são as doenças nas 402 cidades afetadas em Minas

Quase metade dos municípios mineiros decretaram situação de emergência em Minas por causa das fortes chuvas que atingiram o estado nas últimas semanas. Em muitas localidades, a água já baixou e a grande preocupação dos moradores, além dos prejuízos, são as doenças que enchentes e alagamentos trazem e que podem provocar surtos e até epidemias. 

Somente em 2021, a Fundação Ezequiel Dias realizou exames de mais de 1,2 mil pacientes com suspeita de leptospirose e mais de 400 exames de pacientes com suspeita de doenças diarreicas causadas por bactérias.

De acordo com o limnólogo, consultor ambiental e pós-doutor especialista em águas Ricardo Motta Pinto Coelho, é necessário que mineradoras e companhias de saneamento básico sejam transparentes com a população e alertem sobre riscos à saúde.

“As pessoas reclamam porque tomam água ou comem alimentos e se sentem mal, sentem dor de barriga, de cabeça. Esse efeito dura cerca de 10, 15 dias após as enchentes. É preciso que a população saiba disso para poder evitar o consumo de água suja durante o período”, explica.

A principal recomendação da Funed é evitar o contato com a água de enchente acumulada nas ruas. E, se isso for inevitável, o ideal é sempre usar calçados e meias, que protegem um pouco mais a pele.

Além disso, segundo a Fundação, é importante verificar se o reservatório e a rede de abastecimento de água potável da cidade foram afetados. Nesses casos, o município deve providenciar alguma fonte alternativa de água potável, como caminhões pipa ou água mineral.

Os moradores também devem fazer a higienização das caixas d’água ou de outros reservatórios nas residências e descartar alimentos que tiveram contato com a água da enchente.

Segundo o boletim divulgado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) neste sábado (22), já são 402 cidades em situação de emergência. E, para evitar a exposição da população a vírus, bactérias e metais pesados causadores de graves problemas de saúde, a Funed analisa a qualidade da água destinada ao uso e ao consumo humano. 

Além de identificar a presença de microrganismos patogênicos, a Fundação faz análises físicas (cor, turbidez, odor, sabor), químicas (presença de cloro, cloreto, nitrato, fluoreto, entre outros), toxicológicas (pesquisa de substâncias contaminantes como chumbo, mercúrio, alumínio, cromo, cianeto, entre outros) e de resíduos de pesticidas, que observa a presença de agrotóxicos. 

A Funed analisa a qualidade da água em 833 municípios mineiros. E, nos restantes, as análises são feitas em laboratórios próprios. A rede estadual é formada pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-MG), da Funed, em Belo Horizonte, e por outros 28 laboratórios em cidades polos,  que são as sedes das Regionais de Saúde no estado.

Em 2021, foram recebidas mais de 64 mil amostras e realizadas 120 mil análises para monitoramento da qualidade da água. Segundo o chefe da Divisão de Vigilância Sanitária da Funed, Kleber Baptista, o principal motivo de reprovação é a contaminação por microrganismos que podem causar risco à saúde. “Esse tipo de contaminação pode ocorrer devido a falhas no sistema de tratamento, vazamento na rede de distribuição ou falta de proteção do ponto de captação”, explica.

Leia mais

Consumidores de três cidades da Grande BH ficam sem água neste sábado; confira a lista

Motoristas ainda encontram 105 pontos de interdição em rodovias mineiras; saiba onde

Outras notícias:

Publicidade

Previous
Next
error: Conteúdo bloqueado para cópia !!