Untitled Document
megamenu.js | Last responsive megamenu you'll ever need
jQuery Devrama Slider Demo
Tráfico de cocaína em Confins já é 56% maior que em 2018
Tráfico de cocaína em Confins já é 56% maior que em 2018
Da Redação
Por Dentro de Tudo
Publicada 17/06/2019

Traficantes de drogas de diversas partes do mundo vêm usando o terminal do Aeroporto de Confins para tentar distribuir os entorpecentes. De janeiro a 3 de junho deste ano, a Polícia Federal (PF) conseguiu apreender 56% a mais de cocaína do que todo o volume registrado no ano passado. E o número de comprimidos de ecstasy retidos já é o quíntuplo do total de 2018.

Nos primeiros seis meses deste ano, foram registradas ao menos sete ocorrências de tráfico de drogas no aeroporto de Confins pela Polícia Federal (PF). Elas resultaram na prisão de seis pessoas.

As formas para tentar burlar a fiscalização e distribuir a droga são variadas. Preso ao corpo ou escondido no fundo falso de malas.

Uma das ocorrências chama a atenção e pode indicar a participação de funcionários de empresas aéreas no esquema do tráfico de drogas. Em 20 de maio, a PF apreendeu 34 quilos de cocaína em uma mala que estava despachada em um voo rumo a Portugal, porém sem passageiro vinculado. O objeto estava etiquetado em nome de uma pessoa que já tinha voado havia dois dias e, portanto, não tem relação com o caso, segundo a PF. A droga foi descoberta durante fiscalização de rotina por meio de aparelho de raios x. No dia do caso, a PF afirmou que não houve prisões em flagrante nem interrogatórios, mas a BH Airport, concessionária que administra o terminal em Confins, relatou prisões de “trabalhadores de empresas terceirizadas contratadas pelas companhias aéreas”, que “não pertencem aos quadros de colaboradores da concessionária”. Um inquérito apura o fato.

Dados da PF mostram que a apreensão de algumas drogas está aumentando nos últimos anos. A mais significativa é a cocaína. Em 2016, foram 12,03 quilos (kg) retidos. No ano seguinte, o número aumentou para 17,95kg. Em 2018, subiu novamente e passou para 24,66kg. Somente nos primeiros seis meses de 2019, foram retirados de circulação no aeroporto de Confins 39,20kg, um aumento de 56% em relação ao ano passado, e três vezes mais do que o total registrado em 2016.

Aumento de apreensões também pode ser visto em relação ao ecstasy. Neste ano, já foram encontrados 50 mil comprimidos no terminal, quase cinco vezes a mais do que no ano passado inteiro, quando foram apreendidas 10.306 pílulas. Em 2017, foram 71.754 ecstasys encontrados. Em 2019, também houve apreensão de 29,3kg de skunk, 4kg de haxixe e 11kg de maconha.

NA ROTA

O aumento da apreensão de drogas pode estar ligado com o investimento nas fiscalizações, mas também com uma procura pelos traficantes de drogas para espalhar o produto pelo Brasil e outros países. “Sem dúvida, o fato de ser um aeroporto internacional, fazer conexões com todo o Brasil e incluir duas rotas fundamentais, a Europa e os Estados Unidos, coloca o terminal como potencial na rota do tráfico internacional”, explica Robson Sávio, integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O especialista cita ainda outra possibilidade: de as quadrilhas estarem migrando para outras rotas devido ao aumento da fiscalização. “Temos alguns locais que podem estar visados, como São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, com muitos equipamentos e maior vigilância. Então, pode ser um grande fator”, comentou. Segundo ele, Minas Geraistambém é rota do tráfico de drogas pelas estradas. “Temos um estado que tem a maior malha viária do país e faz divisa com vários estados, além de interligar o Sul e o Sudeste ao Nordeste”, completou.

Fonte: EM.

 Documento sem título
Comentários