Untitled Document
megamenu.js | Last responsive megamenu you'll ever need
jQuery Devrama Slider Demo
Asfaltamento de ruas no centro gera polêmica em Matozinhos; Outros bairros serão beneficiados
Asfaltamento de ruas no centro gera polêmica em Matozinhos; Outros bairros serão beneficiados
Da Redação
Por Dentro de Tudo
Publicada 29/11/2019

A Prefeitura de Matozinhos iniciou, há alguns dias, o asfaltamento de ruas na área central. O serviço, no entanto, causou polêmica e gerou revolta nos moradores de vários bairros, principalmente nos que residem no bairro São Paulo e São José, que lutam há anos por melhorias na infraestrutura viária.

Segundo José Gonçalves, a prioridade do governo municipal é sempre a área central. “Enquanto os moradores de bairros sofrem na poeira. Asfaltou ruas no centro, inclusive da vice-prefeita. Os beneficiados devem ser seus apadrinhados para tentar substituí-lo”, postou o morador.

O morador do bairro São Paulo, Erivelto Correia, questiona o pagamento obrigatório do IPTU. “Moro em um bairro que não tem asfalto. Gostaria que me explicasse por que é obrigatório pagar esse imposto se não fazem nada pelo meu bairro”.

Apenas uma postagem sobre o tema em uma comunidade no Facebook rendeu mais de 300 comentários. A maioria criticando, mas também postagens amenizando a situação. “De modo geral acho a atual administração melhor que as anteriores. Porém, achei desnecessário esse serviço, independente de quem mora na rua, pois muitas vias estão precisando de manutenção”, comentou Rosa Mayra.

Centro e Bom Jesus

O Por Dentro de Tudo apurou que o serviço de recapeamento será realizado durante os próximos meses na cidade e beneficiará não só algumas ruas do Centro como também no bairro Bom Jesus. No entanto, o nome das ruas não foi repassado pela administração. O valor do contrato é de R$ 1.6 milhões para obras de drenagem superficial, pavimentação e recapeamento asfáltico.

Em entrevista exclusiva ao jornal, o Prefeito Antônio Divino explicou os motivos que o levaram a iniciar a obra de asfaltamento/recapeamento no centro, e o porquê não contempla os bairros São José e São Paulo.

Confira abaixo na minientrevista.

- Por que primeiro o Centro e não os bairros?
Antônio Divino: O Centro da cidade pertence e beneficia a todos. O governo gasta muito com tapa-buracos, a Avenida Bento Gonçalves, por exemplo, o recapeamento é uma medida de economia. Vamos gastar agora, mas não gastaremos mais com operação tampa buraco neste local. O centro é nossa “sala de visitas”.

- As ruas dos bairros São Paulo e São José serão asfaltadas?
Antônio Divino: Não se esgota num governo todas as demandas da sociedade, temos inúmeras ruas do município que precisam de pavimento, mas já fizemos aquelas que podem ser pavimentadas sem a drenagem pluvial. Algumas com drenagem pluvial única, como a Avenida Santa Terezinha e a Eduardo Gonçalves Cotta também já fizemos. Nos bairros não se drena apenas uma rua, mas sim uma bacia, daí o custo altíssimo, como é o caso dos bairros São Paulo e São José. Esses dois bairros ainda têm um agravante pois estão submetidos ao crivo da Justiça. As benfeitorias deveriam ter sido feitas pelo empreendedor e não fizeram. Na época, foi feito um acordo lesivo aos cofres públicos, entregaram a área do Barrocão, em contrapartida, o município deveria fazer uma obra que custa R$ 49 milhões. O barrocão não tem valor comercial e é área verde do próprio empreendimento. Esse acordo está na justiça e deverá ser anulado, já que foi feito perícia. Espero que logo que tivermos essa decisão o empreendedor assuma a responsabilidade por toda a drenagem e a pavimentação desses bairros.

- Quais as ruas serão asfaltadas no município?
Antônio Divino: Temos algumas ruas no Centro e no Bom Jesus 1 e 2. Teremos que fazer o prolongamento da rua Ulisses Gomes, que foi um prejuízo ao município quando evitaram fazer a permuta aos Machados. Agora teremos que indenizar o proprietário para abrir a rua, pois não queremos um beco no centro da cidade. Além disso, tem a iluminação e demais serviços. Esse contrato para asfaltamento vai até novembro de 2020.

Reportagem: Ronaldo Araújo.

 

 Documento sem título
Comentários