Minas enfrenta surto da síndrome mão-pé-boca; veja como se prevenir
Untitled Document
Buscas
jQuery Devrama Slider Demo
Minas enfrenta surto da síndrome mão-pé-boca; veja como se prevenir
Minas enfrenta surto da síndrome mão-pé-boca; veja como se prevenir
Por Ronaldo Araújo
Repórter
Publicado 13/04/2018

Minas Gerais enfrenta o surto de uma doença até então pouco conhecida pela maior parte da população: a síndrome do mão-pé-boca. A doença provocada pelo vírus Coxsackie é altamente contagiosa e afeta principalmente crianças menores de 5 anos. Por enquanto, não existe vacina para combater a enfermidade, mas é possível evitar a transmissão com alguns cuidados simples.

A síndrome mão-pé-boca é facilmente confundida com outras doenças, o que pode dificultar o diagnóstico. Ela provoca feridas e bolhas nessas partes do corpo, sendo que na região da boca ela também afeta a garganta e o pescoço. Apesar de parecer assustadora, a doença tem evolução autolimitada, o que significa que tem um período certo de duração, que varia de 4 a 6 dias.

Neste ano, a Secretaria de Estadudo da Saúde (SES) já detectou surtos da síndrome em São Gonçalo do Rio Abaixo, Catas Altas e Santa Bárbara. Nos três municípios, até esta quarta-feira (11), houve o registro de 107 pessoas infectadas. A doença, porém, já fez vítimas em outras cidades, como em Belo Horizonte. Como a síndrome não é uma Doença de Notificação Compulsória, apenas os surtos são notificados.

Sintomas

O vírus que causa a doença é transmitido pela via oral ou fecal da pessoa infectada. Por isso, a melhor forma de evitá-la é não beijar, abraçar ou compartilhar utensílios com o paciente. Além disso, especialistas na área de saúde aconselham limpar e desinfectar superfícies tocadas com frequência pelo doente, além de lavar as mãos com água e sabão frequentemente, principalmente após trocar fraldas e usar o banheiro.

Conforme a SES, geralmente a doença começa com febre, entre 38°C e 38,9°C. A partir do segundo dia as lesões aparecem nos pés e nas mãos, mas de forma moderada, pequena e sem dor. Em alguns casos surgem, também, na área das coxas e nádegas, o que pode ser confundido com assadura.

“Um a dois dias após o início da febre, surgem lesões características na boca (Herpangina). Geralmente começam como pequenas manchas vermelhas, que podem ter de 2 a 4 mm de tamanho. A maioria dos casos ocorre de forma benigna e autolimitada e as lesões regridem espontaneamente e sem cicatrizes”, explica Tânia Marcial, referência técnica do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Minas) da SES.

Todos esses sintomas costumam desaparecem entre 5 e 7 dias. Porém, as bolhas podem permanecer por até quatro semanas. Mesmo depois de recuperada, a pessoa infectada pode transmitir o vírus pelas fezes pelo mesmo período.

Tratamento

“É importante estabelecer o diagnóstico diferencial com outras doenças que também provocam estomatites aftosas ou vesículas na pele. Não há tratamento específico para a síndrome. Em geral ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é realizado com antitérmicos e anti-inflamatórios com o objetivo de tratar os sintomas", esclarece Marcial.

Ela frisa que, durante o período da doença, o paciente tem que ficar em repouso, alimentar-se bem e beber muito líquido para evitar desidratação.

Da Redação.

 Documento sem título
Comentários