Mulher aceita ajuda em banco e perde R$ 3 mil
Untitled Document
Buscas
jQuery Devrama Slider Demo
Mulher aceita ajuda em banco e perde R$ 3 mil
Mulher aceita ajuda em banco e perde R$ 3 mil
Por Ronaldo Araújo
Repórter
Publicado 12/06/2018

Uma mulher de 66 anos foi vítima de um golpe ao aceitar a ajuda de um estranho em uma agência bancária. Ela só percebeu o furto após a transação ter sido realizada. O crime aconteceu na manhã desta segunda-feira (11), na Praça Bom Jesus, em Matozinhos. A ação criminosa serve de alerta.

Conforme consta no boletim de ocorrência, a vítima foi abordada por um rapaz não identificado que ofereceu ajuda. O golpista digitou algo no caixa e depois saiu da agência.

Desconfiada, após efetuar a transação, a aposentada verificou o extrato bancário e descobriu o furto de R$ 3.000,00. Porém, o autor já havia fugido.

A Polícia Militar foi acionada e registrou a ocorrência.

Culpa de quem? – Vários casos como este já viraram reportagens no Brasil. Segundo o Jornal Terra, em um caso parecido, no Distrito Federal, a vítima entrou na Justiça pedindo o ressarcimento e indenização do prejuízo à instituição. O Tribunal de Justiça, no entanto, negou o recurso desse cliente, que já havia perdido a ação em primeira instância.

A operação na capital federal também foi feita com a ajuda de estranho, sendo realizados saques na conta corrente do cliente. Na ocasião, o banco recusou-se a fazer a devolução do dinheiro, sustentando que as operações realizadas pelo desconhecido ocorreram por culpa exclusiva do cliente, que não seguiu as recomendações de jamais aceitar ajuda de terceiros em terminais de autoatendimento.  Por fim, o Tribunal de Justiça apontou que os danos se deram por culpa exclusiva do consumidor.

Alerta – Os clientes de bancos devem redobrarem a atenção ao fazerem transações bancárias nas agências. Se a pessoa não tiver conhecimento ou pouca instrução do uso do cartão ou da senha, que ela vá até a agência ou use o autoatendimento sempre acompanhado de uma pessoa conhecida. Além disso, só aceite a orientação de um funcionário devidamente identificado.

Reportagem: Ronaldo Araújo.

 

 Documento sem título
Comentários