fbpx
sexta-feira, 14 de junho de 2024

Contato

Policial civil teria matado o próprio cunhado para proteger família em Sete Lagoas; ele estava com duas facas

Por Dentro De Tudo:

Compartilhe

Neste domingo (26), uma investigadora da Polícia Civil efetuou um disparo contra seu cunhado, de 47 anos, para proteger a família no bairro São Francisco, em Sete Lagoas, na Região Central de Minas Gerais. Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), a ação foi motivada pela necessidade de defesa contra ameaças.

Ameaça com facas

De acordo com a PM, o cunhado da investigadora estava ameaçando a própria mãe com duas facas, em um episódio que também envolveu a presença de alguns irmãos. A vítima tem um histórico de alcoolismo e de ameaças anteriores à família. Quando a investigadora chegou ao local, solicitada pelos familiares, tentou persuadir o cunhado a largar as armas. No entanto, ele reagiu agressivamente e avançou contra ela e os outros presentes.

Ação de legítima defesa

A investigadora, diante da situação crítica, sacou um revólver calibre .357 de dentro de sua bolsa e disparou uma vez, atingindo o cunhado. A Polícia Civil confirmou que a ação foi realizada em legítima defesa. “Ela tentou conversar com a vítima para a vítima entregar as duas facas, só que a vítima, infelizmente, não entregou e avançou nela e nos familiares, na mãe e nos dois irmãos, e a investigadora não teve o que fazer, a não ser dar um tiro”, explicou a delegada Fernanda Mara de Assis Costa.

Procedimentos pós-ocorrência

Após o disparo, a investigadora acionou a polícia e aguardou no local até a chegada dos agentes. Ela entregou a arma de fogo utilizada e foi levada à delegacia, onde foi ouvida e liberada posteriormente. O caso continua em investigação para apurar todos os detalhes do incidente.

Encontre uma reportagem

Aprimoramos sua experiência de navegação em nosso site por meio do uso de cookies e outras tecnologias, em conformidade com a Política de Privacidade.