fbpx
sexta-feira, 14 de junho de 2024

Contato

Porto Alegre enfrenta caos de lixo e entulho após novos temporais no RS; veja fotos

Por Dentro De Tudo:

Compartilhe

Porto Alegre, RS – Nas últimas semanas, as enchentes que atingem Porto Alegre transformaram a capital gaúcha em um verdadeiro lixão a céu aberto. Com montanhas de móveis, alimentos e outros produtos destruídos pelas chuvas espalhados por toda a cidade, o cenário é de caos e insalubridade.

Moradores relatam mau cheiro e a presença de restos mortais de peixes e outros animais, além de insetos e animais peçonhentos. A lama e o lodo tomaram conta das áreas inundadas. Só na última semana, os garis retiraram mil toneladas de resíduos. Contudo, com vários pontos da cidade ainda submersos, os profissionais conseguem atuar apenas onde é possível chegar, deixando seis bairros totalmente inacessíveis.

No dia 16 de maio, a prefeitura informou que foram removidas 119 toneladas de lixo somente nos bairros Cidade Baixa e Menino Deus. A limpeza tem ocorrido em partes da cidade onde a água já recuou. O custo estimado para a limpeza até o momento é de R$ 24 milhões, mas a previsão é de que chegue a mais de R$ 100 milhões, segundo técnicos da prefeitura.

Um levantamento do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em parceria com a empresa Mox Debris e voluntários, estima que a destruição causada pelas enchentes pode gerar até 46,7 milhões de toneladas de entulho no estado. Para lidar com a situação, a prefeitura assinou um acordo para a contratação emergencial de um aterro sanitário em Gravataí, com capacidade para receber de 77 a 180 mil toneladas de resíduos. O custo previsto para o novo aterro, que ocupará uma área de 270 hectares, é de R$ 19,7 milhões.

Além da questão do lixo, as chuvas continuam a castigar Porto Alegre. Nesta quinta-feira (23), a forte precipitação fez com que áreas que já haviam começado a secar voltassem a alagar. Com a nova crise, o prefeito Sebastião Melo (MDB-RS) anunciou a suspensão das aulas nas redes municipal e privada e o fechamento das comportas da cidade.

“Sabíamos dessa chuva, tínhamos a previsão, o governo do estado publicou e nós republicamos em nossas redes sociais da prefeitura, dizendo que poderia chover na Região Metropolitana de 60 a 100mm. Essa chuva concentrou muito hoje pela manhã, na Região Sul já choveu 100mm até agora. E aquilo que era um problema das áreas alagadas se estendeu para toda a cidade. Por conta da chuvarada, temos sérios problemas, além das áreas alagadas. Então, temos que tomar algumas decisões: a primeira é que vou suspender as aulas municipais e particulares”, disse Melo.

O prefeito acrescentou que, quanto mais veículos transitarem pela cidade, maiores são os riscos. A suspensão das aulas deve valer, a princípio, até sexta-feira. “A chuva vai diminuindo, e volta certa normalidade”, disse Melo, informando que as escolas municipais permanecerão abertas para acolhimento e que as cozinhas continuarão a funcionar para atender a população.

Com informações: O Globo. Foto: EVANDRO LEAL/Agencia Enquadrar/Agencia O Globo

Encontre uma reportagem

Aprimoramos sua experiência de navegação em nosso site por meio do uso de cookies e outras tecnologias, em conformidade com a Política de Privacidade.