Prefeito de BH veta projeto de lei que classifica igrejas como serviços essenciais

 Prefeito de BH veta projeto de lei que classifica igrejas como serviços essenciais
Anuncie no Por Dentro de Tudo

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), vetou integralmente o projeto de lei que classificava igrejas, templos e santuários religiosos como serviços essenciais.

O projeto, de autoria do vereador Henrique Braga (PSDB), previa que esses locais pudessem permanecer sempre abertos, “prestando assistência espiritual e assistencial”.

Nas razões do veto, publicadas no Diário Oficial do Município desta quarta-feira (24), Kalil alega inconstitucionalidade do projeto.

Ele destaca que uma lei federal “estabelece expressamente a competência do Chefe do Poder Executivo de cada unidade federativa para definir, por meio de decreto, os serviços e atividades essenciais durante o período da pandemia da Covid-19”.

O prefeito diz, também, que “a gravidade e a dinamicidade da pandemia exigem a revisão contínua das ações de combate e a adoção de providências urgentes, razão pela qual se faz imprescindível a regulamentação do tema via atos infralegais, os quais, diversamente das leis, podem ser rápida e sistematicamente alterados”.

Além disso, Kalil fala que o Plenário do STF reconheceu a constitucionalidade de decreto do Estado de São Paulo que proibiu a realização de atividades religiosas coletivas durante o período de agravamento da pandemia, “ao fundamento de que a liberdade do exercício de culto não constitui direito absoluto e pode ser temporariamente restringida para fins de proteção da vida e da saúde da população”.

A proposição de lei agora retorna à Câmara para apreciação do veto.

Atualmente, as atividades religiosas coletivas estão permitidas em Belo Horizonte, desde que os templos garantam o cumprimento de regras como uso de máscara por todos, inclusive celebrantes, e distanciamento de 1 metro entre as pessoas dentro do local, exceto as do mesmo convívio residencial.


error: Conteúdo bloqueado para cópia !!