fbpx
quinta-feira, 30 de maio de 2024

Contato

Técnico mineiro denunciado por agressão e abuso sexual é considerado foragido

Por Dentro De Tudo:

Compartilhe

O treinador de handebol suspeito de ter agredido e abusado sexualmente de adolescentes em cárcere privado em Pompéu, na região Central de Minas, é considerado foragido da Justiça após não ser localizado por policiais civis. Francisco Júnior Corrêa Mota, de 32 anos, já havia sido denunciado em 2023 por racismo após enviar um áudio com xingamento racista para um jogador adversário durante os Jogos Escolares de Minas Gerais (JEMG).

A Polícia Civil tentou cumprir mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão contra o técnico na última quinta-feira (9). Francisco, porém, não foi localizado e passou a ser considerado foragido. Rodolfo Saldanha, delegado da Polícia Civil em Pompéu, explica que desde a denúncia de racismo em julho de 2023, outros jovens passaram a denunciar o treinador.

Após o indiciamento do suspeito em julho do ano passado, por prática de injúria racial durante um evento esportivo estudantil na cidade, outras vítimas se encorajaram a denunciar os abusos sofridos, resultando na instauração de novo inquérito policial. Na última terça-feira (7/5), foi veiculado nas redes sociais vídeos do treinador agredindo os atletas, fato que causou revolta nos adolescentes, que acionaram o Conselho Tutelar e a Polícia Militar. Até o momento, 14 adolescentes, todos do sexo masculino, já prestaram depoimento, relatando uma série de abusos que incluem maus-tratos, abuso sexual, agressões psicológicas, entre outros’.

Francisco é alvo de um inquérito que apura as suspeitas de agressão e abuso sexual contra jogadores de 15 e 17 anos. O caso segue sendo investigado e o treinador segue sendo procurado pelas autoridades.

Treinador suspeito de agressão

As novas denúncias contra Francisco Júnior Corrêa Mota surgiram no dia 7 de maio, após um vídeo que mostra o treinador agredindo um jovem viralizar nas redes sociais. A ocorrência foi registrada após uma conselheira tutelar de Pompéu acionar a Polícia Militar e relatar que um adolescente que frequenta a Associação Esporte Solidário Gustavo Elias (Aesge) entrou em contato com ela e fez a denúncia das agressões.

Os militares foram até o local e encontraram 13 adolescentes, alunos de handebol de vários estados do Brasil, morando na residência. Os jovens confirmaram o conteúdo do vídeo e apontaram Francisco como o autor das agressões. Segundo eles, a vítima foi agredida após sair da casa para dar uma volta sem a autorização do treinador, que também é coordenador da equipe de handebol.

Enquanto os militares estavam no local, Francisco chegou e relatou que os jovens tinham problemas de indisciplina, incluindo até mesmo o uso de drogas. Sobre o vídeo que mostra o treinador agredindo um adolescente, ele afirmou que a cena retratava apenas uma ‘brincadeira que ele costuma praticar’. O adolescente agredido, porém, teria deixado o alojamento após o caso e dito aos amigos que não voltaria. Durante o registro da ocorrência, o treinador teria até mesmo mandado mensagens para alguns dos jovens.

Outros alunos relataram ter sofrido importunação sexual, assédio sexual e outros tipos de agressão física, como socos no rosto e batidas no joelho e no órgão genital com uma chave de roda. Os adolescentes foram deixados sob responsabilidade do Conselho Tutelar e levados para um abrigo de Pompéu. O treinador não foi preso por ausência de flagrante.

Denúncia de racismo

Em julho de 2023, Francisco Júnior Corrêa Mota foi investigado por conta de uma gravação enviada para um jogador do time de Sete Lagoas, que também disputava o torneio de handebol organizado pelo Governo de Minas. Na gravação, o treinador usa um xingamento racista e também ofende a cidade natal do jovem.

O treinador foi indiciado pela Polícia Civil e denunciado, junto com a Associação Esporte Solidário Gustavo Elias (Aesge), pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). A denúncia classifica o áudio como ‘racista, aporofóbico e gordofóbico’ e defende que a associação seja multada em R$ 150 mil e desfeita.

Fonte: Itatiaia.

Encontre uma reportagem

Aprimoramos sua experiência de navegação em nosso site por meio do uso de cookies e outras tecnologias, em conformidade com a Política de Privacidade.